Coronavírus: como a pandemia afeta a vida dos aposentados e pensionistas do INSS

coronavirus e o aposentado

Vivemos uma pandemia do novo coronavírus, ou Covid-19, que não poupa o Brasil. Diante dos avanços no número de casos por aqui, convém esclarecer alguns pontos, sobretudo para os nossos amigos clientes que são, em sua maioria, o público de maior risco, os idosos.

Em meio às incertezas em torno da pandemia, um fato é irrefutável: a taxa mais alta de mortalidade está entre as pessoas mais idosas, particularmente aquelas que já têm problemas de saúde. 

Das 256 mortes já investigadas (até hoje, dia 3 de abril), 227 foram em pessoas com 60 anos ou mais. Entre os idosos que vieram a óbito, 144 tinham doenças cardíacas. Entre os 29 mortos com menos de 60 anos, a doença mais comum foi o diabetes, com 11 casos. Também foi registrada a primeira morte no país de uma pessoa com menos de 20 anos, mas não há ainda detalhes sobre o caso.

Por isso, preocupados com nossos clientes, querendo enfatizar que:

1. Não é um simples vírus

Este novo vírus é tão fácil de se pegar quanto uma gripe, pois a infecção por coronavírus se comporta de modo parecido a uma gripe comum (que é causada por outro vírus, o influenza), mas sua disseminação se mostra mais rápida e, especialmente na população acima dos 60 anos e/ou portadora de problemas crônicos, se manifesta mais gravemente.

2. Fiquem em casa!

Para a sua próprio segurança! Sabemos que desperdiçar tempo trancado em casa em vez de aproveitar a aposentadoria não é o melhor cenário nem o mais confortável. Porém, não podemos esquecer que portadores de doenças crônicas como diabetes e hipertensão, asma e indivíduos acima de 60 anos são os mais propensos a ter complicações e morrer de Covid-19. 

Provavelmente, os idosos estão mais suscetíveis às complicações do coronavírus por causa de alterações no sistema imunológico naturais da idade. No caso dos males cardíacos, a circulação prejudicada e a debilidade dos pulmões parecem favorecer a agressividade da infecção.

Já o diabetes, principalmente o tipo 2, é um fator de risco para o agravamento de diversas infecções. Isso porque prejudica as defesas do organismo contra vírus, bactérias e afins.

3. Peça ajuda a vizinho e/ou familiares

Não tenha medo nem vergonha de pedir ajuda aos vizinhos ou familiares caso precise de alguma coisa como, por exemplo, ir ao mercado, na lotérica, na verdureira e afins. Você não estará incomodando ninguém e eles ficarão felizes em ajudar, vendo que você tem cuidado da sua saúde.

4. Previna-se o máximo que puder

As medidas mais eficientes para prevenir a infecção pelo coronavírus passam por aquilo que chamamos de etiqueta respiratória. Listo as principais aqui:

  • Higienizar com frequência as mãos usando água e sabão ou álcool em gel (70%)
  • Evitar tocar os olhos, o nariz e boca
  • Evitar apertos de mão, abraços e beijos quando cumprimentar as pessoas
  • Se espirrar ou tossir, cobrir o nariz e a boca com o cotovelo flexionado ou lenço descartável, que deve ser jogado fora em seguida

5. Aproveite o isolamento social 

Se ter que ficar em casa é uma realidade para muitos brasileiros, por que não aproveitar a para manter ou até começar uma rotina de atividades para manter o corpo e a mente ativos? 

É possível manter o distanciamento social e aproveitar as horas livres para fazer exercícios físicos, atividades de lazer ou botar o papo em dia com os amigos em uma vídeo chamada pelo celular. O que não pode é ficar sentado o dia inteiro no sofá assistindo a TV e comendo mais do que deve, principalmente alimentos industrializados.

Ficar em casa não pode ser sinônimo de ficar parado! Exercícios de alongamento, de equilíbrio e de força, para quem pode, é possível fazer na sala, por exemplo. E até o corredor ou os batentes das portas podem ser aliados na atividade física.

Antes de sair correndo pela casa, os idosos devem ficar atentos às limitações de seu corpo neste momento. Se atividades físicas estiverem fora de cogitação por algum problema de mobilidade, os jogos de tabuleiro, de cartas ou o dominó também são alternativas que ajudam na interação familiar. 

Outro cuidado que os idosos devem ter durante a quarentena é com a alimentação. Estocar comida pode ser uma cilada para uma alimentação saudável. Além de correr o risco de perder a validade, bolachas, salgadinhos e congelados, por exemplo, não têm os nutrientes necessários.

6. Se precisar de dinheiro, peça um empréstimo sem sair de casa!

Você não precisa ir até uma de nossas lojas para fazer um empréstimo consignado. Se você estava precisando de dinheiro por qualquer motivo, seja dívidas atrasadas, contas caras, reformas na casa, exames médicos, enfim, saiba que a hora é agora! 

O governo brasileiro tem tomado medidas para tentar minimizar os impactos econômicos causados pela pandemia de coronavírus. Entre as mudanças anunciadas estão a antecipação de abono salarial e do 13º salário para aposentados e pensionistas do INSS.

Além disso, houve mudanças no crédito consignado. O Conselho Nacional de Previdência Social aprovou a redução do teto de juros que as instituições financeiras podem cobrar nos empréstimos consignados para aposentados e pensionistas do INSS. A queda foi de 2,08% para 1,8% ao mês. Também foi autorizada uma ampliação dos prazos a da margem consignável.

Então, apesar dos perigos reais que o COVID-19 representa para os aposentados, existem boas notícias para os que precisam de uma retaguarda financeira para equilibrar as contas durante esse período.

Então você já sabe! Fique em casa, cuide-se e, se precisar de uma grana, entre em contato com a BOMSIM!

Ligue no 0800 887 0587 e faça seu empréstimo consignado. Lembrando que essas são condições especiais que o governo federal instituiu para este período de crise. Ou seja, é por tempo limitado!